UFSC » Pró-Reitoria de Pesquisa
Órgão Executivo Central

CONSULTA PÚBLICA – Minuta de Resolução de Grupos de Pesquisa, Laboratórios de Pesquisa, Núcleos de Pesquisa, Redes de Pesquisa e Laboratórios Multiusuários Centrais e Setoriais
Publicado em 04/05/2015 às 10:11

Minuta de Resolução de Grupos de Pesquisa, Laboratórios de Pesquisa, Núcleos de Pesquisa, Redes de Pesquisa e Laboratórios Multiusuários Centrais e Setoriais da Universidade Federal de Santa Catarina

Minuta Resolução – Define e estabelece as normas para a criação, o registro e o funcionamento de Grupos de Pesquisa, Laboratórios de Pesquisa, Núcleos de Pesquisa, Redes de Pesquisa e Laboratórios Multiusuários Centrais e Setoriais na Universidade Federal de Santa Catarina.

Esclarecimento PROPESQ:

A UFSC destaca-se pela excelência da sua pesquisa e pela diversidade de suas condições de infraestrutura, que cresceram de forma distinta nos vários setores ao longo dos seus mais de 50 anos de atividades. Isto tem dificultado o gerenciamento da estrutura de pesquisa existente pelos Departamentos, Centros e mais recentemente, pelos Campi, além de não prover a Administração Central com números e relatórios consistentes que sirvam tanto para visibilidade externa, quanto para estabelecimento de políticas de incentivo e de parcerias com agentes externos.

Com o objetivo de orientar a formação de uma estrutura de pesquisa institucional que garanta a autonomia das Unidades mas que, ao mesmo tempo, permita um melhor acompanhamento da pesquisa na UFSC, a Câmara de Pesquisa debateu e discutiu desde o segundo semestre de 2014 e aprovou a proposta de uma Minuta de Resolução sobre o assunto.

A proposta de regulamentar institucionalmente as estruturas de pesquisa está em consonância com o que acontece nas mais conceituadas universidades no país e no exterior. Com a definição clara de normas de criação e funcionamento das estruturas de pesquisa, a Instituição estará em condições de melhor racionalizar a sua gestão e aumentar a sua qualificação com a finalidade de manter e aperfeiçoar a excelência em pesquisa.

A lógica conceitual é que os Grupos de Pesquisa formam a base desta estrutura e a partir daí, podem se associar em Laboratórios e Núcleos e Redes de Pesquisa. Como atualmente, os Grupos de Pesquisa continuarão a se organizar a partir de seus componentes, de acordo com as normas estabelecidas pelo CNPq e pela UFSC, mas agora, em consonância com o Estatuto e o Regimento da Universidade, atribui-se especificamente aos Departamentos, às Unidades e a Administração Central o estabelecimento das normas pelas quais os demais segmentos da estrutura de pesquisa serão criados e como funcionarão.

Outro aspecto importante desta proposta é possibilidade de estruturação de Laboratórios Multiusuários Centrais e Setoriais. Esta tendência de compartilhamento de estruturas já vem acontecendo na UFSC, mas ela pode e deve ser ampliada e expandida. Além do óbvio benefício na ampliação do acesso ao desenvolvimento de pesquisa de alta qualidade, laboratórios multiusuários facilitam e melhor direcionam a contrapartida institucional.

Como sempre, contamos com a colaboração da nossa comunidade no aperfeiçoamento das propostas feitas pela Câmara de Pesquisa e sua contribuição é muito importante frente à diversidade de linhas e áreas de pesquisa na UFSC.

Jamil Assreuy – Pró-Reitor de Pesquisa

PRÊMIO FUNDAÇÃO BUNGE 2015 COM INSCRIÇÕES ABERTAS
Publicado em 04/05/2015 às 9:56

Prêmio Fundação Bunge 2015

Regulamento Formulário

Prêmio Fundação Bunge 2015
A Fundação BUNGE abriu o sistema para indicações institucionais para concorrer ao Prêmio 2015. A data limite para indicação é dia 22 de maio (http://www.fundacaobunge.org.br/projetos/premio-fundacao-bunge/premio-2015/).

Este ano, as categorias concorrentes são SANEAMENTO BÁSICO E MANEJO DE ÁGUA e RECUPERAÇÃO DE SOLOS DEGRADADOS PARA AGRICULTURA.
As indicações são feitas pela UFSC mediante senha exclusiva e os indicados não necessariamente precisam ser de membros da Universidade. As indicações devem ser enviadas até as 18:00 hs do dia 22 de maio para a PROPESQ com a documentação requerida para o email propesq@contato.ufsc.br com PREMIO BUNGE na linha de assunto.

As informações requeridas para a inscrição da candidatura estão no arquivo anexo (atenção para o número máximo de caracteres permitido). Enviar em formato doc ou docx para que possa ser cortado/colado no Formulário Eletrônico de Indicação. Material adicional deverá ser enviado para o mesmo endereço de email acima.

Regulamento do Prêmio

Revista do Prêmio

Modelo Formulário

PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS PARA JOVENS PROFESSORES E PESQUISADORES SANTANDER UNIVERSIDADES 2015
Publicado em 30/04/2015 às 14:25

PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS PARA JOVENS PROFESSORES E PESQUISADORES SANTANDER UNIVERSIDADES 2015

Edital Princípios Gerais do Programa

EDITAL CONJUNTO PROPESQ-PROPG-SINTER
CHAMADA PARA SELEÇÃO

A Universidade Federal de Santa Catarina e o Santander Universidades convocam os interessados a candidatarem-se para cursarem um período de atividades acadêmicas em uma das Instituições de Ensino Superior (IES) conveniadas. Será oferecida uma (01) bolsa de mobilidade, a ser utilizada até o mês de dezembro de 2016, conforme calendário acadêmico da universidade de destino.

OBJETIVO DO PROGRAMA

Estimular o intercâmbio docente entre jovens professores pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina e professores das Universidades conveniadas, possibilitando um enriquecimento acadêmico e cultural do corpo docente de ambas as instituições. O Programa “Bolsas Ibero-Americana Jovens Professores e Pesquisadores Santander Universidades” é um projeto de 5 (cinco) anos de duração, com o objetivo de reforçar a mobilidade e intercâmbio de Jovens Professores Pesquisadores entre universidades IberoAmericanas. O Programa pretende promover a pesquisa científica por meio de programas de extensão em universidades Ibero-Americanas participantes do Programa.

CALENDÁRIO

Etapa Data
Publicação do edital 30/04/2015
Prazo limite de entrega da documentação na PROPESQ Até 10/06/2015
Divulgação dos selecionados na página da PROPESQ A partir de 12/06/2015

UFSC executa 89% dos recursos para compra de equipamentos de projetos CT-Infra
Publicado em 23/04/2015 às 9:24

Máquina comprada com recursos CT-Infra já está em operações na Fazenda Ressacada (Foto: Divulgação/Propesq)

Máquina comprada com recursos CT-Infra já está em operações na Fazenda Ressacada (Foto: Divulgação/Propesq)

A Coordenadoria de Projetos Institucionais, vinculada ao Departamento de Projetos da Pró-Reitoria de Pesquisa da UFSC, executou 89% dos recursos destinados à aquisição de equipamentos de médio e grande porte para pesquisas dos projetos CT-Infra. Em 2014, foram adquiridos 74 novos equipamentos, com destaque para cinco máquinas agrícolas para a Fazenda Experimental Ressacada, a fim de serem utilizadas em atividades de implantação de lavouras, tratos culturais e com animais. Em 2013, o índice de execução era de 75% (58 equipamentos adquiridos); em 2012, apenas 58% dos recursos foram executados (14 equipamentos adquiridos).

Os equipamentos foram adquiridos pelos projetos CT-Infra com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). São aparelhos nacionais e importados para uso em laboratórios multiusuários, que beneficiam mais de um departamento ou centro de ensino. O aumento no índice de execução dos projetos deve-se, em grande parte, a uma nova estratégia de gestão descentralizada e automatizada. É o que destaca o pró-reitor de Pesquisa, Jamil Assreuy. “A estrutura de gerenciamento dos projetos CT-Infra está funcionando com alta eficiência. É assim que estamos conseguindo executar de forma imediata quase todos os recursos liberados pela FINEP para a compra de equipamentos. Nosso lema e meta é que os recursos para compra de equipamentos, uma vez liberados pela FINEP, sejam utilizados em 24 horas, no máximo a partir da entrega da documentação pelos pesquisadores”, ressalta o pró-reitor.

Assreuy acrescenta que, além dos valores que chegam, eventuais rendimentos gerados pelos recursos já depositados são utilizados para a compra de novos equipamentos ou para melhorar a proposta original. O coordenador de Projetos Institucionais, Gustavo Rossa Camelo, ressalta que foi possível adquirir muitos equipamentos de suporte, como no-breaks e peças de reposição, o que garante a realização de pequenos reparos ao longo do tempo. “Muitos não são nem instalados pelas empresas sem que haja uma rede elétrica estabilizada. Por isso, buscamos adquirir também esses outros aparelhos complementares”, explica.

Gestão descentralizada

Antes de maio de 2012, todo o processo de gerenciamento dos projetos CT-Infra era centralizado com o diretor do Departamento de Projetos de Pesquisa, que executava os orçamentos. Naquele ano foi criado o Núcleo CT-Infra/UFSC e, em 2013, esse setor se transformou na Coordenadoria de Projetos Institucionais. A nova estrutura possibilitou um fluxo ágil de aquisição dos equipamentos para executar os recursos repassados pela FINEP, com a implantação de um serviço eletrônico de solicitação de compras, o qual funciona em sincronia com a fundação de apoio credenciada pela UFSC que faz os encaminhamentos diretamente com os fornecedores.

O diretor do Departamento de Projetos, Elias Machado, destaca que, se o ritmo de aquisições continuar no nível atual, muito provavelmente até o final do primeiro semestre de 2015 será possível executar 100% dos recursos para a aquisição de equipamentos recebidos até 2014. “Conseguimos fazer isso porque foi criado um setor, com dois administradores especializados, atuando com esse foco. É tudo feito on-line. A compra pode ser solicitada pela página, sem a burocracia que exigia que, por exemplo, o pesquisador viesse à Pró-Reitoria de Pesquisa fazer a sua solicitação. Houve um enorme avanço na profissionalização dos processos”, ressalta Machado. “Além disso, o processo é transparente. O coordenador do projeto de pesquisa hoje tem acesso à planilha de custos dos projetos e sabe detalhadamente o que tem que ser comprado e o que temos de recurso – tudo isso on-line”, acrescenta o diretor.

A Pró-Reitoria de Pesquisa pede aos coordenadores de projetos CT-INFRA que atentem para o fato de que deve haver a aprovação prévia da FINEP sempre que houver a alteração na rubrica de nacional para internacional ou vice-versa ou, ainda, nos casos de mudança nos equipamentos aprovados no projeto original. “Como a financiadora somente analisa um pedido após a manifestação sobre a demanda anterior, nestes casos, o atendimento dos pedidos pode atrasar porque o ritmo do processamento depende da autorização da FINEP, explica Elias Machado. O mesmo critério vale para a incorporação dos rendimentos bancários sobre a parcela de recursos dos subprojetos. Legalmente os rendimentos são da FINEP, que tem a prerrogativa de autorizar ou não a sua incorporação pela Universidade para a aquisição de novos equipamentos ou o pagamento de serviços.

Confira, na tabela abaixo, como os recursos CT-Infra foram aplicados de 2012 a 2014:

RECURSOS CT-INFRA 2012 2013 2014
Total de projetos vigentes 7 8 6
Total aprovado em projetos R$ 45.235.336,00 R$ 55.742.790,00 R$ 52.286.532,00
Recurso recebido R$ 16.611.224,00 R$ 20.951.514,08 R$ 18.653.316,00
Recurso utilizado R$ 9.608.650,91 R$ 15.756.090,14 R$ 16.588.836,10
Índice de execução financeira dos recursos disponibilizados 58% 75% 89%

Mayra Cajueiro Warren
Jornalista/Diretoria-Geral de Comunicação

Sua inovação em saúde e desenvolvimento vale 100 mil dólares
Publicado em 22/04/2015 às 10:02

A Fundação Bill & Melinda Gates está com inscrições abertas até 13 de maio para a 15ª edição de seu programa Grand Challenges Explorations (GCE). Lançado em 2008, o GCE oferece 100 mil dólares a inovações tecnológicas e científicas em saúde, agricultura e desenvolvimento capazes de solucionar graves problemas mundiais. Mais de 1140 projetos em 60 países já foram financiados, sete deles no Brasil. O mais recente é o da pesquisadora Marilyn Nations, da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), primeira instituição do Nordeste financiada pelo GCE. Veja outros projetos brasileiros em: http://grandchallenges.org/.

No Grand Challenges Explorations, qualquer pessoa pode enviar projetos. São aceitas propostas de candidatos de todos os níveis de experiência, de qualquer área ou organização, incluindo universidades, laboratórios, institutos de pesquisa, ONGs e empresas privadas. Para participar, você só precisa descrever a sua ideia em duas páginas. Nelas você deve explicar, em inglês, por que sua ideia apresenta uma solução inovadora para gerar impacto em um dos desafios propostos pelo GCE. A cada rodada, o programa lança diferentes tópicos e os projetos têm de responder adequadamente a eles. Propostas fora do tema não serão avaliadas.

As soluções mais inovadoras e de maior impacto em cada rodada recebem 100 mil dólares para serem implementados em 18 meses. Se a proposta for bem-sucedida, é possível aplicar para um financiamento adicional de 1 milhão de dólares. No Brasil, uma parceria com 17 Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (FAPs) garante um aporte adicional de 50.000 a 100.000 dólares a inovadores desses 17 estados que tiverem suas ideias selecionadas pelo programa.

As inscrições estão abertas até o dia 13 de maio para os seguintes desafios:

• Promoção da Saúde Intestinal de Bebês e Recém-Nascidos por Meio da Engenharia do Microbioma Mediada por Bacteriófagos
• Explorando Novas Maneiras de Medir Dados de Oferta e Uso de Serviços Financeiros Digitais
• Facilitando a aceitação de pagamentos via celular por parte de comerciantes
• Ferramentas de Vigilância, Diagnóstico e de Dieta Artificial para Apoiar Novas Abordagens em Controle de Vetores
• Novas Abordagens Para Enfrentar a Transmissão Residual de Malária · Novas Maneiras de Reduzir Mortes de Crianças Por Pneumonia com Tratamentos Eficazes e Administrados a Tempo

Para uma descrição completa dos seis tópicos em Português, clique aqui.

Você encontra as descrições detalhadas de todos os tópicos e instruções de como se inscrever no site do Grand Challenges Explorations e abaixo:

Como se inscrever:
1. Leia cuidadosamente os desafios propostos: é muito importante certificar-se de que seu projeto se encaixa perfeitamente nos tópicos. Propostas fora dos temas não serão consideradas.

2. Faça o download do Formulário de Inscrição: todas as propostas devem ser preenchidas online e em inglês. Não é necessário apresentar dados preliminares. Demonstre em duas páginas que sua ideia é inovadora, os impactos que ela pode gerar e como será aplicada. Clique aqui para acessar dicas de como preencher a proposta.

3. Crie uma conta, inscreva um desafio e envie sua proposta: para inscrever e enviar seu projeto, é preciso criar uma conta do GCE em: https://gce.gatesfoundation.org/

Relatório de Atividades PROPESQ 2014
Publicado em 19/03/2015 às 17:27

Relatório de Atividades PROPESQ 2014

A Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade Federal de Santa Catarina, de forma a conferir transparência às atividades desenvolvidas, apresenta o seu Relatório de Atividades relativo ao ano de 2014.

Um marco importante para a realização das atividades atualmente desenvolvidas pela PROPESQ foi a aprovação do Regimento da Reitoria da UFSC (Resolução Normativa No. 28/CUn, de 27 de novembro de 2012) que explicita as atribuições da PROPESQ e dos demais órgãos da Administração Central.

Este Relatório traz os números relativos à área de Pesquisa da UFSC. Comentários, sugestões, críticas e elogios são sempre bem-vindos e irão ajudar na constante tentativa de aperfeiçoamento. Entre as ações de maior relevância estrutural desenvolvidas pela PROPESQ destacamos a aprovação da Resolução de criação do Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica (PIICT), a aprovação da nova Resolução de Pesquisa e a aprovação do convênio com a Sapiens Parque S/A que possibilitará a institucionalização do Parque Científico e Tecnológico da UFSC. Um agradecimento especial a todos que se envolveram na elaboração deste documento e, mais importante, nas ações que nele constam.

Jamil Assreuy e Heliete Nunes
Pró-Reitoria de Pesquisa

ATENÇÃO para os novos ramais do CEPSH, da CEUA e da CIBio
Publicado em 17/03/2015 às 11:54

A PROPESQ informa os novos ramais de telefone do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (CEPSH), da Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) e da Comissão Interna de Biossegurança (CIBio):

CEPSH – telefone 3721-6094

CEUA e CIBio – telefone 3721-6093.

O Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (CEPSH) está localizado na Reitoria 2, Edifício Santa Clara, sala 902, no ático, localizado na Rua Desembargador Vitor Lima, nº 222, Trindade, Florianópolis. Horário de atendimento aos usuários: manhã, das 10 às 12; à tarde, das 16 às 18h. Nos dias de reuniões institucionais não haverá atendimento (reuniões do Comitê). Mais informações na página do CEPSH http://cep.ufsc.br/

PRORROGADA CONSULTA PÚBLICA DA MINUTA DE RESOLUÇÃO SOBRE PROJETOS FUNDACIONAIS ATÉ 15 DE MARÇO DE 2015
Publicado em 23/12/2014 às 15:58

A minuta de Resolução sobre Projetos com Recursos de Créditos de Descentralização Orçamentária estará em consulta pública até o final de fevereiro. O documento esteve em discussão na Câmara de Pesquisa durante o ano de 2014 e foi aprovado por unanimidade pelos representantes de todas as unidades da UFSC. A nova Resolução, além de regulamentar o artigo 3º da Resolução de Pesquisa, aprovada no dia 17 de dezembro de 2014 pelo Conselho Universitário, vai normatizar os projetos institucionais que são desenvolvidos com recursos repassados por órgãos públicos como ministérios e secretarias de estado, por exemplo. Em nível federal, estes projetos estão regulamentados pelo presidente da República através do Decreto Nº 825, desde 28 de Maio de 1993. Na UFSC, apesar de que a Lei das Fundações, de 1993, recomenda que cada instituição deveria aprovar normas próprias, até agora a instituição ainda não editou uma legislação específica para disciplinar a matéria. Desde outubro de 2013 uma portaria do gabinete da Reitoria estabelece que estes projetos quando são de pesquisa devem ser previamente discutidos com o Departamento de Projetos da PROPESQ.

Entre as principais novidades da Resolução estão: 1) definição de que a partir de agora estes projetos deverão ser discutidos com a administração central e não poderão ser apenas apresentados para assinatura pela autoridade máxima da instituição; 2) estes projetos deverão ser aprovados pelo Departamento da área de conhecimento da proposta e pelo conselho da Unidade; 3) os projetos deverão prever recursos para ressarcimento da Universidade pelo uso de seus bens tangíveis e intangíveis, 4) limitação do número máximo de três projetos para cada coordenador; 5) criação de um banco de projetos, 6) definição de responsabilidades para os coordenadores técnicos que serão nomeados por portaria do gabinete da reitoria, 7) supervisão de execução pelas pró-reitorias ou secretarias e 8) criação de um Departamento ou Coordenadoria para prestação de contas destes projetos na PROAD.

Os projetos com recursos de descentralização são desenvolvidos pelas universidades porque os órgãos públicos como ministérios, secretarias estaduais ou municipais precisam de uma resposta a questões na forma de projetos de pesquisa, ensino ou de extensão que ajudem a compreender um determinado problema, ou desenvolver uma nova metodologia ou política pública ou a importância da manutenção de determinado ecossistema e muitas outras soluções que são essenciais para a formulação de políticas públicas ou para o atendimento de demandas da sociedade. Como seria impossível um Ministério, por exemplo, ter uma equipe científica, de ensino ou extensionista que pudesse abranger todas as necessidades de projetos de pesquisa e de extensão, uma forma encontrada pelo Governo Federal foi a Descentralização Orçamentária. A matéria, como vimos acima, está normatizada pelo presidente da República através do Decreto Nº 825, de 28 de Maio de 1993.

O mecanismo funciona da seguinte forma: um Ministério precisa de um projeto de pesquisa para elaboração de uma nova metodologia de avaliação da eficiência do seu investimento em fibra óptica, por exemplo. Olhando as instituições que detém conhecimento nesta área, o setor responsável do Ministério identifica a UFSC como sede de um grupo de pesquisa atuante. O setor entra em contato com a UFSC e propõe o projeto. Se o grupo aceita participar, o Ministério transfere para a UFSC os recursos para o desenvolvimento do projeto. Outra forma é o setor do Ministério identificar a demanda e contatar um pesquisador da UFSC diretamente para o desenvolvimento do projeto. Uma terceira possibilidade é um pesquisador da UFSC leva uma ideia do projeto ao Ministério e este se interessa pelo projeto e concede os recursos para seu desenvolvimento.

Nas três hipóteses, muito comumente, parte ou todo o recurso, é repassado mediante contrato para uma Fundação de Apoio para gerenciamento financeiro/administrativo do projeto. Em qualquer destes casos, a situação atual é a seguinte: a) este tipo de projeto depende da anuência e da assinatura do (a) Reitor (a) que é quem responde legalmente pela sua execução financeira; b) muitas vezes, nem o Departamento, nem a Unidade e nem a própria Universidade tem conhecimento ou acompanha a captação/desenvolvimento e, principalmente, da execução do projeto, a não ser quando a assinatura do Reitor é solicitada já na reta final de contratação ou da prestação de contas ; c) na maioria das vezes, a pessoa que capta o projeto não tem designação formal para ser o Coordenador e nem o ordenador de despesas; d) a Universidade não é ressarcida pelo uso da sua infraestrutura tangível e intangível, conforme preceito legal, determinado pela Lei das Fundações, Lei Nº 8.958, de 20 de Dezembro de 1994; e) o valor captado pode ascender a vários milhões de reais, dos quais muito pouco ou nada fica para a instituição; f) algumas Universidades como a UFSC desenvolveram a competência para captar muitos destes projetos que constituem importante fonte de recursos para financiamento de pesquisa e extensão, além das fontes orçamentárias e das agências de fomento.

A Resolução sobre Projetos com Recursos de Descentralização atende a uma necessidade legal de normatização e pretende preparar melhor a UFSC para captar e executar este tipo de créditos orçamentários. “Pela importância destes projetos, pela possibilidade de ampliação da oferta institucional de conhecimento para captação destes projetos, pela importância de se ter maior acompanhamento deste tipo de atividades, pela relevante fonte de recursos para projetos de pesquisa, ensino e extensão que a descentralização orçamentária representa e para cumprir o determinado pelo artigo 3º da nova Resolução de Pesquisa aprovada pelo Conselho Universitário em 17 de Dezembro de 2014, a Câmara de Pesquisa discutiu durante este ano uma proposta de normatização de projetos de descentralização orçamentária”, afirmou o Pró-Reitor de Pesquisa Jamil Assreuy. A minuta elaborada pela PROPESQ após amplo debate e discussões com os representantes das unidades foi aprovada por unanimidade pela Câmara de Pesquisa. “Esta proposta é agora apresentada à comunidade na forma de Consulta Pública e as sugestões serão de grande valia no aperfeiçoamento da minuta. A PROPESQ aguarda sua leitura e sugestões à proposta que se insere no escopo geral da Resolução de Pesquisa recentemente aprovada pelo Conselho Universitário. Esta consulta ficará aberta até final de Fevereiro de 2015 quando as sugestões serão compiladas para discussão na Câmara de Pesquisa”, disse Jamil Assreuy. A PROPESQ trabalha com a perspectiva de que a nova Resolução seja encaminhada para o Conselho Universitário em março de 2015.

Para acessar a Consulta Pública, use o link abaixo. Qualquer dúvida, a PROPESQ fica à sua disposição.

http://consultapublica.ufsc.br/?attachment_id=135

Finep lança linha de financiamento para micro e pequenas empresas
Publicado em 15/12/2014 às 11:19

As micro e pequenas empresas e startups ganharam uma nova linha de financiamento da Finep, com valores adequados às suas necessidades. No dia 10 de dezembro, na 5ª reunião da Comissão de Inovação da ABDE, no Rio de Janeiro, foi apresentado oficialmente o Inovacred Expresso, que tem como objetivo apoiar inovação em empresas com receita operacional bruta anual até R$ 16 milhões, através de financiamentos de até R$ 150 mil. Não é necessária contrapartida das empresas e o prazo do financiamento é de até quatro anos, incluída a carência. Os 16 agentes credenciados para operar o Inovacred – que concede financiamentos de R$ 150 mil a R$ 10 milhões – serão os responsáveis pela operação da nova linha.

Diferentemente dos outros programas de descentralização da Finep (Inovacred e Tecnova), não há necessidade de apresentação de um projeto específico para conseguir o empréstimo. Basta a empresa comprovar que se enquadra em alguma das categorias abaixo.

Ter recebido ao menos um dos seguintes apoios do governo: incentivos fiscais à P&D e inovação tecnológica nos últimos cinco anos; subvenção econômica à P&D nos últimos dez anos; financiamento a projetos de P&D e inovação tecnológica nos últimos cinco anos – com ou sem parceria com universidades ou institutos de pesquisa; bolsas RHAE/CNPq para pesquisadores em empresas nos últimos cinco anos; aporte de venture capital baseado em recursos públicos nos últimos cinco anos.

Ter histórico na área de Propriedade Intelectual/Direito Autoral: possuir registro de patente no INPI nos últimos cinco anos; possuir registro de Direito Autoral nos últimos cinco anos – aplicável somente em caso de software; ter pedido de patente no INPI no mesmo ano da solicitação de empréstimo ou nos dois anos anteriores.

Estar instalada em Incubadoras de Base Tecnológica ou Parques Tecnológicos

“O foco principal é atingir empresas de pequeno porte que precisem de recursos adicionais para dar continuidade aos seus projetos de inovação”, explica Marcelo Camargo, gerente de Produtos Financeiros Descentralizados da Finep, destacando que “todas as empresas com características inovadoras serão beneficiadas”.

De acordo com Camargo, o Inovacred Expresso possibilita às micro e pequenas empresas a opção de obterem recursos menores e com menos burocracia. “Tanto o formulário de solicitação quanto a prestação de contas estão mais simplificados, o que dá mais agilidade ao processo”, afirma Camargo. Segundo ele, outro ponto forte da nova linha é a possibilidade de realizar operações com aval pessoal, ou seja, a garantia pelo empréstimo pode ser dada pelo próprio sócio da empresa, se for o caso. Para ele, uma das principais barreiras que as micro e pequenas empresas enfrentam para conseguir financiamento é a apresentação de garantias. O ticket menor de crédito permite essa flexibilização.

Com o Inovacred Expresso, a Finep amplia suas possibilidades de financiamentos e poderá conceder financiamentos de R$ 1 a R$ 10 milhões para micro, pequenas e médias empresas, além de startups. “Vamos desafogar a demanda para microempresa”, conclui Camargo.

Fonte: FINEP

Prazo do CNPq para atualizar e incluir novos grupos de pesquisa vai até 30 de dezembro
Publicado em 11/12/2014 às 17:10

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico (CNPq) convida todos os dirigentes e lideres do Diretório de Grupos de Pesquisa no Brasil (DGP)  para participarem do Censo 2014. O prazo para atualização de dados e inclusão de novos grupos vai até 30 de dezembro.

Para garantir um censo completo e de qualidade, é importante que todos grupos estejam com as informações atualizadas. Isto significa excluir grupos inativos, cadastrar novos grupos, excluir pesquisadores ou estudantes que não fazem parte do grupo e incluir novos participantes. Grupos de que estejam na situação “não atualizado” ou “em preenchimento” não participam do censo.

Além da revisão dos dados é necessário que todos os pesquisadores, estudantes e técnicos participantes dos grupos de pesquisa estejam com o Currículo Lattes atualizado. O objetivo do Censo 2014 é retratar da melhor forma possível às atividades de pesquisa das instituições participantes.

Novo portal

- A versão atual do portal do DGP, lançada este ano pelo CNPq, possui novos campos de preenchimento para ampliar e dar mais precisão na hora de fazer o censo, que é gerado a cada dois anos, com os dados da plataforma. O DGP reúne ainda dados sobre recursos humanos dos grupos, linhas de pesquisa em andamento, produção científica e tecnológica e padrões de interação com o setor produtivo.

Para mais informações acesse aqui os ofícios enviados aos dirigentes de pesquisa líderes de grupo.

Em caso de dúvidas, entre em contato com a Central de Atendimento pelo 0800 61 96 97.

Fonte: CNPq

  • Administradores do Site
  • 1960 - 2015 - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) | Central Telefônica - (48) 3721-9000 |
  • Última atualização do site foi em 20 de maio 2015 - 14:08:23