UFSC » Pró-Reitoria de Pesquisa
Órgão Executivo Central

Finep lança dois editais para ICTs com valor total de R$ 500 milhões
Publicado em 21/11/2014 às 8:35

A Finep lança nesta quarta-feira, 19/11, dois editais voltados para universidades, institutos tecnológicos e centros de pesquisa, que totalizam R$ 500 milhões. Um deles, voltado para equipamentos multiusuários, será o primeiro realizado por meio do Finep 30 Dias Pesquisa, novo sistema de análise e gestão de projetos com instituições, lançado em agosto pela agência. A chamada pública MCTI/FINEP/CT-INFRA – PROINFRA – 02/2014 – Equipamentos Multiusuários conta com um orçamento de R$ 400 milhões e tem como objetivo principal financiar a aquisição de novos equipamentos de médio e de grande porte – bem como sua instalação e manutenção – por instituições. Os equipamentos multiusuários são considerados de alta especialização e necessitam de um coordenador científico que determine o seu uso por usuários internos e externos à instituição.

As propostas poderão ser enviadas até 15 de junho de 2015 e os projetos devem ter valor mínimo de R$ 1 milhão. O valor máximo solicitado deverá ter como referência o número total de doutores pertencentes ao quadro de pessoal permanente da instituição executora, indo de R$ 1,5 milhão a R$ 15 milhões. O Formulário de Submissão de Propostas no sistema 30 Dias Pesquisa estará disponível no dia 2 de março. Do total de recursos, pelo menos 40% deverão ser aplicados nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

De acordo com André Cabral, superintendente da Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia da Finep, o foco em equipamentos se deu pela “defasagem tecnológica do Brasil”: “Observamos, ao longo do tempo, uma demanda concentrada em equipamentos, seguida de obras e instalações”. A expectativa é que cerca de 175 instituições participem do edital, que deve ter o resultado preliminar divulgado em julho de 2015. Já a lista final deve ser conhecida em agosto. “A criação ou a expansão de unidades multiusuárias é extremamente relevante para o crescimento e consolidação da pesquisa científica e tecnológica das instituições do País”, salienta Cabral.

Edital para recursos adicionais

O outro edital (CARTA CONVITE MCTI/FINEP 01/2014), no valor de R$ 100 milhões, será destinado à conclusão de obras aprovadas nas chamadas públicas anteriores do CT-INFRA. Poderão participar instituições selecionadas nos 13 editais lançados no período de 2004 a 2013. André Cabral justifica os recursos adicionais. “Identificamos, junto com a ANDIFES (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior), que algumas obras estavam atrasadas por causa de alterações, ao longo dos anos, no valor do metro quadrado, por exemplo”, diz o superintendente, ressaltando que as instituições terão de apresentar pareceres técnicos para comprovar a viabilidade da execução da obra e justificar a necessidade de novos recursos.

A última chamada pública voltada para universidades, ICTs (Institutos de Ciência e Tecnologia) e outras instituições que atuam como proponentes de projetos havia sido lançada em janeiro de 2013.

Fonte: FINEP

Prêmio Fundação Conrado Wessel de Medicina, Ciência e Cultura aceita inscrições até o dia 14 de novembro de 2014
Publicado em 29/10/2014 às 14:13

A Fundação Conrado Wessel (http://www.fcw.org.br/) atribui um prêmio anual denominado PRÊMIO FCW ou “PRÊMIO FUNDAÇÃO CONRADO WESSEL”, destinado a personalidade ou entidade de reconhecimento nacional no campo da ARTE, CIÊNCIA, MEDICINA e CULTURA, mediante critérios e normas estabelecidos em regulamento específico pela Diretoria Executiva e pelo Conselho Curador.

O PRÊMIO FCW DE ARTE reverencia o Fundador, industrial e profissional da Fotografia Publicitária. São premiados trabalhos do meio publicitário pela criatividade e técnica envolvidas, e do meio profissional pelos ensaios fotográficos produzidos, segundo julgamento de Comissão Julgadora formada por especialistas e professores universitários de Publicidade e Fotografia de renome nacional e internacional. Os interessados neste Prêmio podem consultar detalhes na página da Fundação.

O PRÊMIO FCW DE CIÊNCIA, o PRÊMIO FCW DE MEDICINA e o PRÊMIO FCW DE CULTURA reconhece perfis renomados em Ciência, Medicina e Cultura, com qualidades de talento inovador, liderança, abrangência social, trabalho incansável, integridade e ética.

A FCW solicita a todas as instituições reconhecidas no país, por sua produção intelectual e cultural, a indicar nomes merecedores dos Prêmios FCW; além disso, há a Comissão de Busca constituída pela Fundação Conrado Wessel, incumbida de preparar os currículos encaminhados e agregar novas indicações, a cada ano. Os nomes indicados não precisam ser brasileiros, mas devem ter atividade permanente no Brasil. A Comissão Julgadora tem plenos poderes para atribuir o prêmio ao nome mais indicado segundo seu julgamento, podendo isso ocorre sob o critério de inovação, de abrangência, de conjunto da obra e de eficácia e influência social.
A Comissão Julgadora de Ciência e Cultura é formada por doutores representantes de Instituições do maior porte nacional no campo da Ciência, parceiras da FCW, a saber: ABC, ABL, ANM, CAPES, CNPq, CONFAP, DCTA, FAPESP, MARINHA DO BRASIL E SBPC. Além dos representantes dessas entidades de Fomento, âncoras do Júri, outros integrantes podem ser convidados pela FCW, para compor o júri respectivo, como os vencedores de anos anteriores.

A UFSC foi convidada a indicar até dois nomes para o PRÊMIO FCW DE CIÊNCIA, o PRÊMIO FCW DE MEDICINA e o PRÊMIO FCW DE CULTURA.

Extrato do Regulamento segue abaixo:
Art. 6°- Os candidatos para as diferentes categorias dos Prêmios FCW deverão ser indicados a convite da Fundação Conrado Wessel, por Universidades / Institutos / Academias /Entidades ligadas às áreas de premiação; ou pela Comissão de Busca instituída em 2006 pela Fundação Conrado Wessel.
§ 2º. Em nenhuma hipótese o nome da instituição ou fonte apresentadora será encaminhado à Comissão Julgadora; somente se o indicado for escolhido como vencedor, poderá ser divulgado o nome da instituição que o indicou; o mesmo procedimento será utilizado para os nomes encaminhados pela Comissão de Busca.
§ 3º. A Comissão de Busca preparará o dossiê completo dos nomes indicados, para a análise da Comissão Julgadora.
§ 4º. Não haverá indicações post-mortem.

Art. 7°- Os indicados devem ser personalidades residentes e em atividade profissional no país, de grande projeção no meio científico e cultural, nas áreas de premiação, e/ou ter trazido notável contribuição para a sociedade, por sua obra ou produção.

Art. 8°- Será considerado, como período de atuação para os indicados, o ano da premiação mais o quinquênio anterior. Assim, o Prêmio FCW 2014 compreende os trabalhos realizados no período de 1 de janeiro de 2009 a 10 de novembro de 2014.

Parágrafo Único. O “conjunto da obra” também poderá fundamentar uma indicação para concorrer ao Prêmio FCW, a critério da Comissão Julgadora.

Art. 9°- As indicações de nomes serão feitas por meio de correspondência oficial da entidade respectiva, nos termos do art. 6°, confidencial, registrada, acompanhada de ofício de apresentação no qual se justifiquem os motivos pelos quais o indicado é considerado merecedor do Prêmio FCW, com pormenores e informações conforme o descrito no parágrafo primeiro a seguir.
§ 1° – As informações biobibliográficas poderão ser feitas a critério da Instituição indicante, mas deverão vir acompanhadas de uma síntese em relatório que tenha:
a) identificação do(s) indicado(s) ou autor(es) com dados pessoais de qualificação: RG, CPF, endereço completo, incluídos o CEP, os telefones e possível endereço eletrônico;
b) caracterização informando a natureza, a finalidade, as características principais do(s) trabalho(s), obra(s) realizado(s) pelo indicado;
c) justificativa demonstrando evidências comprováveis e a abrangência social do(s) trabalho(s), obra(s) realizado(s) pelo indicado;
d) outras observações consideradas relevantes pela Instituição indicante.
§ 2° – Adesão do indicado, se premiado, às iniciativas sociais da Fundação Conrado Wessel de incentivo à Ciência e à Cultura, participando eventualmente em eventos ou edições, bem como integrando a galeria dos prêmios no “sítio” da FCW.

Art. 10. Serão consideradas as obras escritas em qualquer idioma, ressalvada a versão em português no caso de obra publicada no exterior.

A indicação é institucional e os documentos acima deverão ser entregue na PROPESQ até o dia 10 de novembro de 2014, impreterivelmente.

Seleção de Propostas de Projeto em Eficiência Energética
Publicado em 29/10/2014 às 10:41

De ordem da Pró-reitora de Pesquisa em exercício, Sra. Heliete Nunes, encaminhamos memorando contendo esclarecimentos acerca do Edital de Chamada Pública P&D nº 001/2014/CELESC, para divulgação a todos os pesquisadores docentes da UFSC.

Memorando-Circular nº 44/2014/DIT, de 20 de outubro de 2014.

A Celesc Distribuição está selecionando projetos de eficiência energética para aplicação em sua área de concessão através da Chamada Pública PEE CELESC nº001/2014.

Serão disponibilizados R$10 milhões para o financiamento de projetos de eficiência energética que possam ser adotados em residências, indústrias, prédios públicos, estabelecimentos comerciais ou de serviços, na área rural ou na iluminação pública.

O objetivo é estimular nossos clientes a desenvolverem projetos de eficiência energética, atendendo a Resolução nº 556/2013 da ANEEL. Os projetos devem promover o uso eficiente e racional de energia elétrica, estimulando a adoção de novas tecnologias e de bons hábitos de consumo para combater o desperdício.

Os critérios básicos de seleção dos projetos atendem aos Procedimentos do Programa de Eficiência Energética (PROPEE), definidos pela ANEEL, e o prazo limite para inscrição de projetos é até o dia 19 de dezembro deste ano.

Acesse a Chamada Pública, verifique o regulamento e leia todos os documentos necessários para habilitação.

UFSC participa de reunião para discutir iniciação científica no CNPq
Publicado em 29/10/2014 às 10:35

O Diretor do Departamento de Projetos da Pró-Reitoria de Pesquisa, professor Elias Machado esteve representando a Universidade Federal de Santa Catarina na 5ª Reunião de Trabalho com Pró-Reitores de Pesquisa e Coordenadores do PIBIC/PIBIC-Af/PIBIT. A reunião aconteceu no auditório do CNPq, em Brasília, entre os dias 21 e 22 de outubro. O presidente Glaucius Oliva e o diretor de Cooperação Institucional (DCOI/CNPq), Paulo Sergio Lacerda Beirão, participaram da reunião. Para Glaucius, a iniciação científica possui contribuições marcantes para o desenvolvimento nacional ao longo da história. “É a raiz do CNPq. Nasceu em 1951 para tentar estimular a pesquisa nas universidades e foi a primeira modalidade de bolsa que surgiu”, afirmou. “E foi justamente à iniciação científica que impulsionou a pós-graduação no Brasil, que nasceu logo na sequência”, completou.

O diretor de Cooperação Institucional, Paulo Sergio Lacerda Beirão, destacou a importância de formar pesquisadores no Brasil. “É importante essa perspectiva de que precisamos formar pessoas com qualificação e formação capaz de desenvolver pesquisa para o nosso País”, afirmou. “Para isso não precisamos apenas de um programa de bolsas, mas de um programa de formação, com ou sem bolsa”. concluiu. A iniciação científica é um modelo de pesquisa acadêmica desenvolvida por alunos de graduação nas universidades brasileiras, em diversas áreas do conhecimento. Os estudantes que se dedicam a esta atividade possuem pouca ou nenhuma experiência em trabalhos de pesquisa científica, sendo acompanhados por orientadores durante a função.

Durante o encontro, que reuniu cerca de 300 pró-reitores de pesquisa e coordenadores dos programas de iniciação científica, foram avaliados os resultados alcançados no último ano. “A participação da UFSC foi muito importante porque tivemos condições de relatar os avanços da iniciação científica e tecnológica na UFSC com a aprovação da Resolução que consolida a sua institucionalização e garante o aumento das contrapartidas orçamentárias nas três modalidades. A troca de experiências com os gestores de outras instituições e as discussões com a direção do CNPq são fundamentais para o aperfeiçoamento do programa”, afirmou o professor Elias Machado.

Bolsas distribuídas – Atualmente o CNPq distribui 41.939 bolsas de iniciação científicas. Destas 24.210 são para o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), 64%; 5.657 (15%) para o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica no Ensino Médio – PIBIC-EM; 3.656, 9%, para o Programa Iniciação Científica Jr para alunos do Ensino Médio, em parceria com as fundações de Ampara à Pesquisa dos Estados; 3.094, 8%, para o Programa Institucional de Iniciação Científica e Tencológica (PIBITI); 800, 2%, para o Programa Institucional de Iniciação Científica de Ações Afirmativas, PIBIC-Af e 654, para o Programa de Iniciação Científica e Mestrado (PICME) que oferece aos estudantes universitários que se destacaram nas Olimpíadas de Matemática (medalhistas da OBMEP ou da OBM).

Na UFSC o Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica distribui 815 bolsas. Destas 728 (682 PIBIC e 46 PIBITI) são para os alunos de graduação e 87 para estudantes do ensino médio vinculados a escolas de Araranguá, Florianópolis e Joinville. O PIICT é coordenado por um Comitê Institucional que conta com a participação de representantes de todas as unidades da UFSC e é anualmente avaliado por um Comitê Externo, composto por pesquisadores do CNPq das diferentes áreas do conhecimento. Para mais informações consulte a página do PIICT em http://www.pibic.ufsc.br

Prêmios – Na reunião o Chefe substituto do Serviço de Prêmios, Altino Lisboa, fez uma apresentação sobre os prêmios concedidos pelo CNPq, com destaque para o Prêmio Jovem Cientista e o Prêmio Destaque na Iniciação Científica, edições 2014. A XXVIII edição do Prêmio Jovem Cientista, que tem como tema deste ano é Segurança Alimentar e Nutricional, busca estimular pesquisadores e estudantes a voltarem suas atenções para a necessidade de estudos científicos que propiciem avanços na promoção da saúde, qualidade de vida e cidadania, bem como no desenvolvimento de tecnologias agrícolas e industriais. O prazo de inscrição do Prêmio Jovem Cientista se encerra em 19 de dezembro de 2014.
O prêmio Destaque na Iniciação Científica é destinado aos bolsistas de Iniciação Científica e Tecnológica do CNPq e às instituições participantes do Programa Institucional de Bolsas de

Iniciação Científica (PIBIC). Tem como objetivo estimular bolsistas de Iniciação Científica e Tecnológica do CNPq que se destacaram durante o ano pela relevância e qualidade do seu relatório final e as instituições participantes do PIBIC que contribuíram para alcançar os objetivos do programa.

Nesta quarta-feira, 29, às 10 h no auditório da Reitoria, acontece a apresentação dos prêmios do CNPq para a comunidade de pesquisadores da UFSC. O evento está sendo organizado pela Pró-Reitoria de Pesquisa e contará com a presença do Pró-Reitor, Jamil Assreuy e de representantes do CNPq, Altino Flores e Marilene Campos.

Com informações da Coordenação de Comunicação Social do CNPq.

Fotos: Marcelo Gondim

UFSC assina contrato com Embraco para desenvolvimento de novos materiais para compressores
Publicado em 14/10/2014 às 11:07

A vice-reitora, Lúcia Helena Martins Pacheco, e o vice-presidente de Pesquisa e Desenvolvimento e Operações da Embraco, Lainor Driessen, no ato de assinatura de contrato. Foto: Henrique Almeida (Agecom/UFSC)

A vice-reitora, Lúcia Helena Martins Pacheco, e o vice-presidente de Pesquisa e Desenvolvimento e Operações da Embraco, Lainor Driessen, no ato de assinatura de contrato

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) firmou contrato com a Empresa Brasileira de Compressores (Embraco) para o desenvolvimento de materiais metálicos que possibilitem a sustentabilidade e o aumento da eficiência energética em compressores. A cerimônia ocorreu na tarde desta sexta-feira, 10 de outubro, na Sala dos Conselhos, no piso térreo da Reitoria, em Florianópolis.

O projeto “Desenvolvimento de novos materiais metálicos para viabilizar a sustentabilidade e o aumento da eficiência energética de compressores”, coordenado pelo professor do Departamento de Engenharia Mecânica, Aloisio Nelmo Klein, será executado no prazo de três anos com recursos da ordem de R$ 25 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da empresa, que tem sede em Joinville.

“Queremos formar engenheiros, e eles precisam estar bem preparados para fazer o que o Brasil precisa. Essas parcerias, além das ideias e de apoiar a busca de recursos, fazem com que nossos alunos se sintam muito motivados porque vão gerar um produto para o mercado, algo que será aproveitado”, explicou Klein.

Uma equipe composta por 116 pessoas – pesquisadores, professores, técnicos e alunos de graduação, mestrado e doutorado – participará dos trabalhos que serão desenvolvidos pelo Laboratório de Materiais (LABMAT) em parceria com pesquisadores de outros laboratórios da UFSC – LabMetro, Laboratório de Vibrações e Acústica (LVA), POLO – Laboratórios de Pesquisa em Refrigeração e Termofísica e Laboratório de Mecânica de Precisão (LMP).

“Além de todas as pesquisas e de todo conhecimento que a universidade pode gerar, podemos contribuir com a indústria nacional e com geração de emprego e renda. É um grande trabalho em equipe, tanto dos técnicos quanto dos outros agentes que contribuíram para esse projeto”, avaliou a reitora em exercício, Lúcia Helena Martins Pacheco.

Cerimônia realizada no dia 10 de outubro reuniu autoridades da UFSC e da Embraco. Foto: Henrique Almeida/ Agecom/UFSC

Cerimônia realizada no dia 10 de outubro reuniu autoridades da UFSC e da Embraco

O projeto prevê a criação do Laboratório de Prototipagem e Produção de Lotes Pilotos (LP3), que permitirá que a solução tecnológica desenvolvida seja entregue quase pronta ao mercado. “Temos a empresa perto da Universidade, criando oportunidades para os nossos alunos”, observou o chefe do Departamento de Engenharia Mecânica, Edson Bazzo.

O LABMAT passará a dispor de uma infraestrutura laboratorial completa, viabilizando produção e teste dos novos materiais. De acordo com Klein, será possível passar por todos os estágios que compõem o processo de inovação, desde a formulação à produção de lotes pilotos para viabilizar a homologação dos produtos e processos de fabricação.

Os resultados das pesquisas que serão desenvolvidos e testados na UFSC poderão ser aplicados, também, na indústria automobilística, aeroespacial, de eletrodomésticos, de eletrônicos e de motores elétricos. “A Universidade ganha muito com esse projeto, a empresa ganha, o Brasil ganha. O reconhecimento dos nossos cursos está atrelado a esse processo”, disse o vice-diretor do Centro Tecnológico (CTC), Edson Roberto de Pieri.

A UFSC e a Embraco, empresa líder mundial no mercado de compressores para refrigeração, mantêm parcerias há três décadas. “Mais importante do que ter um relacionamento de 30 anos é ter um movimento crescente de atividades, mais um alargamento do tipo de atividade, do volume de atividade que vem sendo desenvolvido ano a ano”, afirmou o vice-presidente de Pesquisa e Desenvolvimento e Operações da Embraco, Lainor Driessen.

De acordo com Driessem, professores da UFSC orientaram mais de 100 dissertações de mestrado e aproximadamente 30 teses de doutorado como fruto das pesquisas desenvolvidas em parceria com a Embraco. Cerca de 400 papers foram apresentados em congressos e eventos.

Participaram do ato a reitora em exercício, Lúcia Helena Martins Pacheco, a pró-reitora Adjunta de Pesquisa, Heliete Nunes, o diretor do Departamento de Projetos (DP) da UFSC, Elias Machado Gonçalves, a diretora do Departamento de Inovação Tecnológica (DIT), Rozângela Curi Pedrosa, o vice-diretor do Centro Tecnológico (CTC), Edson Roberto de Pieri, o chefe do Departamento de Engenharia Mecânica, Edson Bazzo, o vice-presidente de Pesquisa e Desenvolvimento e Operações da Embraco, Lainor Driessen, o coordenador do LABMAT, Aloisio Nelmo Klein, pró-reitores, diretores de unidade e estudantes.

Bruna Bertoldi Gonçalves/Jornalista/DGC/UFSC


Fotos: Henrique Almeida/ Agecom/UFSC

Prazo para atualizar grupos de pesquisa no CNPq vai até 10 de dezembro
Publicado em 03/10/2014 às 8:47


Prezado(a) Pesquisador(a),

Os líderes e os pesquisadores participantes de grupos certificados registrados no Diretório de Grupos de Pesquisa no Brasil (DGP) tem até o dia 10/12/2014 para atualizar as informações para participarem do Censo 2014. O DGP é mantido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico (CNPq). Além da revisão dos dados é necessário que todos os pesquisadores, estudantes e técnicos participantes dos grupos de pesquisa estejam com o Currículo Lattes atualizado. O objetivo do Censo 2014 é retratar da melhor forma possível as atividades de pesquisa das instituições participantes.

Em nota divulgada para os dirigentes de pesquisa o CNPq alerta que para garantir um censo completo e de qualidade, é importante que todos os grupos estejam com as informações atualizadas. “Isto significa excluir grupos inativos, cadastrar novos grupos, excluir pesquisadores ou estudantes que não fazem parte do grupo e incluir novos participantes”, explica o documento assinado pelo presidente do CNPq, Glaucius Oliva. Grupos que estejam na situação “não atualizado” ou “em preenchimento” não participam do censo. Para atualizar os grupos os líderes devem entrar na página do DGP. Qualquer dúvida entrar em contato com a administradora Maria Luiza Ferreira na Propesq através do e-mail: maria.luiza.f@ufsc.br ou do telefone 3721-7413.

Orientaçãoes aos pesquisadores - A versão atual do portal do DGP, lançada este ano pelo CNPq, possui novos campos de preenchimento para ampliar e dar mais precisão na hora de fazer o censo, que é gerado a cada dois anos, com os dados da plataforma. O DGP reúne ainda dados sobre recursos humanos dos grupos, linhas de pesquisa em andamento, produção científica e tecnológica e padrões de interação com o setor produtivo. Uma das novidades do novo portal é a disponibilização de um Wiki com informações e orientações para os líderes e pesquisadores interessados em criar ou em atualizar grupos de pesquisa.

Atualmente a UFSC está com 513 grupos de pesquisa certificados atualizados, 28 certificados desatualizados, 155 grupos em preenchimento e 13 grupos em fase de certificação. No último censo realizado em 2010 a UFSC contava com 513 grupos certificados. No relatório de atividades fechado em janeiro de 2014 o número total estava em 576 grupos certificados e atualizados. Se até o final do período de atualização em dezembro este número for confirmado o crescimento médio de novos grupos de pesquisa atingiria a marca de aproximadamente 12% em quatro anos, numa média de 4% a cada ano. Como entre grupos desatualizados, em certificação e em preenchimento o total é de 186, existe a possibilidade de que em 2014 a UFSC possa superar a marca dos 600 grupos certificados e atualizados.

Sessão ordinária da Câmara de Pesquisa ao vivo, hoje, a partir das 14 horas
Publicado em 15/09/2014 às 12:21

Informamos que a sessão ordinária da Câmara de Pesquisa, a ser realizada nesta segunda-feira, dia 15/09/2014, a partir das 14h, será transmitida ao vivo através do link abaixo.

http://server.stream.ufsc.br/conselho

*Informamos que, por este motivo, não haverá atendimento externo na Coordenadoria Administrativa e Financeira da PROPESQ na tarde desta segunda-feira. Em caso de urgência favor enviar e-mail para propesq@contato.ufsc.br.

Pró-Reitoria de Pesquisa.

EMBRAPII credencia POLO para desenvolver projetos de inovação
Publicado em 08/09/2014 às 11:49

O POLO, Laboratório de Pesquisa em Refrigeração e Termofísica da UFSC acaba de ser credenciado pela EMBRAPII para desenvolver projetos de inovação. (Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC)

O POLO, Laboratório de Pesquisa em Refrigeração e Termofísica da UFSC acaba de ser credenciado pela EMBRAPII para desenvolver projetos de inovação. (Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC)

O Laboratório de Pesquisa em Refrigeração e Termofísica da Universidade Federal de Santa Catarina (POLO/UFSC) acaba de ser credenciado pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII) para desenvolver projetos de inovação com a iniciativa privada. O POLO receberá recursos da EMBRAPII para realizar, em conjunto com o setor produtivo, projetos inovadores para produtos e processos de produção. A proposta submetida prevê o repasse de R$ 30.220.629,84 para aplicação em projetos e inovação nos próximos seis anos. O total exato dos recursos que serão repassados ainda depende de uma discussão final com a EMBRAPII.

A empresa acaba de aprovar o credenciamento de dez instituições, com um investimento total de R$ 1,4 bilhão, com um terço, ou seja, R$ 449,6 milhões aportados pela EMBRAPII. O restante do valor virá das empresas e dos centros de pesquisa credenciados, como o POLO, que entrará com a sua estrutura e pessoal. O contrato com a EMBRAPII tem prazo de seis anos para o atingimento das metas estabelecidas. Caso sejam atingidas antes desse prazo, um novo contrato poderá ser firmado. Cabe aos centros de pesquisa prestar contas e anualmente serem avaliados quanto ao cumprimento dos objetivos de contrato.

Além do POLO, foram credenciados o Centro de Engenharia Elétrica e Informática da Universidade Federal de Campina Grande (CEEI/UFCG); o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM); a Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (LAMEF/UFRGS); a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI); a Fundação Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD); o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (COPPE/UFRJ); o Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (LACTEC); o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA); e o Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros.

Atuar em pesquisa com aplicação da tecnologia no setor produtivo já faz parte da atuação do POLO há mais de 30 anos. (Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC)

Atuar em pesquisa com aplicação da tecnologia no setor produtivo já faz parte da atuação do POLO há mais de 30 anos. (Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC)

A reitora Roselane Neckel comemorou a notícia. “Esse credenciamento é de grande importância para a UFSC, que, com isso, está inserida em um projeto estratégico do Governo Federal, essencial para o cumprimento da política de ciência e tecnologia do País. A nossa contribuição, com as nossas competências e estruturas desenvolvidas aqui, é extremamente relevante e nos deixa muito satisfeitos. Acredito que será fundamental para Santa Catarina porque gera respaldo e reconhecimento para a Universidade e alavanca a base tecnológica da indústria nacional e regional”, avalia a reitora.

O POLO foi selecionado entre 87 centros de pesquisa de instituições de todo o País que passaram para a última fase de avaliação. Dentre os critérios para a escolha do laboratório, estava ter contratado, nos últimos três anos, um valor médio de R$ 12 milhões em projetos em parceria com empresas. Entre as dez instituições certificadas, apenas outras três universidades além da UFSC foram selecionadas pela EMBRAPII, que contou com a consultoria internacional do Instituto Fraunhofer da Alemanha.

Destaque em pesquisa, desenvolvimento e inovação

Fundado em 1982, o POLO destaca-se na pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias em refrigeração. Um de seus fundadores, responsável pelo projeto selecionado pela EMBRAPII, o professor Cláudio Melo, explica que as exigências do edital eram muito próximas ao que o laboratório já vem fazendo há décadas. “O que o edital pediu nós já fazemos há mais de 30 anos. Eles querem centros de pesquisa que façam tecnologia, inovação e que trabalhem com empresas, e isso é o que fazemos por natureza. Todos os projetos em andamento no laboratório são em parceria com a iniciativa privada”, explica o professor Melo.

A estrutura atual do POLO precisará crescer para que o credenciamento com a EMBRAPII seja mantido. Essa é uma das condições previstas no contrato. Melo acredita que muita coisa tenha que ser mudada no POLO para atender aos objetivos da EMBRAPII, mas a principal será a contratação de mão de obra, principalmente de pesquisadores. “Hoje nós não temos capacidade de responder a todas as solicitações que chegam. Por isso, com esse credenciamento, esperamos montar uma força de trabalho maior, e temos convicção que vamos aumentar de tamanho e de volume de projetos”, ressalta Melo.

“É uma distinção muito grande para o POLO, para o Departamento de Engenharia Mecânica, para a Universidade. Somos uma célula de excelência da EMBRAPII, dentre poucas no Brasil, e isso vai gerar um potencial grande para melhorarmos a nossa estrutura e independência. Espero que os parceiros cresçam em termos de recursos e que outros parceiros venham. Vamos ganhar exposição e captar projetos. Vai ser nossa obrigação crescer para continuar como unidade credenciada”, salienta o professor. O laboratório deverá atuar principalmente no desenvolvimento de soluções avançadas para a redução do consumo de energia e a utilização de fluidos refrigerantes de baixo impacto ambiental.

O POLO hoje atua em parceria com diversas empresas brasileiras e estrangeiras. Os dois maiores parceiros são a Whirlpool, uma das maiores fabricantes mundiais de eletrodomésticos, e a EMBRACO, cuja principal atividade é a produção de compressores para aparelhos de refrigeração. O laboratório realiza pesquisas também na área de termofísica em cooperação com a PETROBRAS e a EMBRAER.

O professor Claudio Melo destaca o caráter pioneiro das parcerias do POLO, em especial com a EMBRACO. “A EMBRACO apoia, de maneira contínua, a atividade de pesquisa desde o início das nossas atividades, expondo a gente a problemas reais da indústria, que é uma de nossas características: estar muito ligados à aplicação da tecnologia”, salienta o professor.

A EMBRAPII credenciou dez novos centros de pesquisa e pretende investir R$ 449,6 milhões em projetos que serão também financiados por empresas privadas. (Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC)

Estratégia de Inovação

A EMBRAPII é uma organização social, vinculada e financiada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e pelo Ministério da Educação (MEC). A Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (2012-2015) coloca a EMBRAPII como uma das iniciativas-chave para alavancar o desenvolvimento científico-tecnológico no País, em áreas estratégicas já delineadas pelo Governo Federal. O documento cita, como objetivos centrais da EMBRAPII, “fomentar projetos de cooperação envolvendo empresas nacionais, instituições tecnológicas ou instituições de direito privado sem fins lucrativos, voltadas para atividades de pesquisa e desenvolvimento, que objetivem a geração de produtos e processos inovadores”.

O diretor do Departamento de Projetos da Pró-Reitoria de Pesquisa (PROPESQ), Elias Machado, ressalta que a estratégia da EMBRAPII é consolidar a estrutura já existente nos centros de pesquisa e inovação que atuam em parceria com empresas, repassando recursos para pesquisas capazes de contribuir com a atualização tecnológica da indústria. “Este é um novo modelo de contratação, bem diferente de como eram feitos os projetos de pesquisa convencionais. Existe a necessidade de apresentação de resultados concretos, que serão avaliados a cada ano para garantir a continuidade das atividades. O repasse dos recursos ao longo dos seis anos de contrato depende do cumprimento das metas. É um estímulo para a transferência de tecnologia para a sociedade”, salienta Machado. O diretor lembra ainda que a estratégia da EMBRAPII está intimamente ligada aos projetos de impulsionar a ciência e tecnologia nacionais. “O Brasil tem um grande gargalo, com a maioria das pesquisas desvinculadas da geração de inovação. Estamos entre os 12 países do mundo que mais publicam em revistas científicas indexadas. Só que no critério de inovação, o país ocupa a 64ª posição. Publicamos muito, mas inovamos pouco”, conclui Machado.

Reverter esse quadro de pouca inovação tecnológica e social é o grande desafio das políticas públicas de ciência e tecnologia e das instituições de pesquisa. O pró-reitor de Pesquisa, Jamil Assereuy, acredita que iniciativas como a EMBRAPII podem elevar os números de inovação no Brasil a médio e longo prazos. “O que se quer com a EMBRAPII é a transferência rápida de tecnologia para o setor produtivo. Esse é um esforço importante, mas o caminho é longo. Agora foram credenciados 10 centros de pesquisa e pretende-se credenciar, até o fim do ano, 23 instituições. Se cada um registrar 10 patentes ou 10 novos produtos, serão 230 produtos, o que é um primeiro passo em termos de entrada em mercados muito competitivos. Produzir algo totalmente novo, a inovação radical, só vai acontecer quando tivermos uma grande massa de pesquisadores trabalhando com inovação”, prevê Assereuy.

Mais informações:

Site da Embrapii
Site do POLO

Mayra Cajueiro Warren
Jornalista / Diretoria-Geral de Comunicação

RECOMENDAÇÕES RELATIVAS A CARTAS DE ANUÊNCIA PARA O EDITAL UNIVERSAL FAPESC 2014 E DEMAIS PROJETOS FAPESC
Publicado em 16/07/2014 às 10:38

CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 04/2012 – UNIVERSAL

Prezado(a) Pesquisador(a),

Tendo em vista a abertura de diferentes editais FAPESC, a exemplo do Edital Universal 2014 e PROEVENTOS 2014, recomendo a leitura cuidadosa dos devidos editais e atenção às datas-limite. Algumas recomendações importantes devem ser seguidas.

Os editais solicitam uma carta de anuência da UFSC, emitida pela Pró-Reitoria de Pesquisa. Sendo assim, com o intuito de garantir a fluidez no processo de solicitação/emissão desta carta, peço sua atenção para o exposto abaixo:

a) enviar a solicitação da carta *somente* para o e-mail propesq@contato.ufsc.br contendo CARTA FAPESC no campo assunto. Isto facilitará muito a localização do seu pedido em meio a dezenas de e-mails que a PROPESQ recebe diariamente;

b) na solicitação informar o nome do coordenador, o titulo do projeto e o número do NOTES de aprovação do projeto. Caso ele ainda não seja cadastrado, uma carta simples do Chefe do Departamento afirmando ter conhecimento da submissão do projeto é suficiente. Esta mesma regra aplica-se à projetos submetidos por pesquisadores que não tem SIAPE e não podem registrar projetos no NOTES;

c) peço sua colaboração em solicitar a carta com a devida antecedência. A PROPESQ não garantirá a emissão da carta com pedidos feitos com menos de 48 hs de antecedência, em vista das outras inúmeras demandas;

d) o Pró-Reitor de Pesquisa tem portaria para emitir a carta de anuência. Ou seja, NÃO envie seu pedido de carta para o Gabinete da Reitoria e sim diretamente para nós. Caso contrário, seu pedido poderá demorar e causar transtornos;

e) a carta assinada e digitalizada será enviada para seu email e o original firmado ficará à sua disposição para retirada na PROPESQ. Para mais informações sobre a CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 04/2012 – UNIVERSAL, acesse: http://www.fapesc.sc.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=751&Itemid=72 Atenciosamente, Jamil Assreuy Pró-Reitor de Pesquisa

Programa de iniciação científica distribui 108 novas bolsas em dois anos
Publicado em 11/07/2014 às 14:03

A principal novidade no resultado do processo de seleção das bolsas de iniciação científica e tecnológica neste ano é que houve um aumento de 83 novas bolsas na contrapartida da UFSC em relação à quota recebida do CNPq no ano passado. Se considerarmos o ano base de 2012, este número sobe para 108. Atualmente o CNPq repassa para a UFSC 488 bolsas (435, PIBIC; 28, PIBITI e 25, PIBIC-Af). O PIBITI conta ainda com uma quota adicional de 18 bolsas oriundas de recursos do Fundo para o Desenvolvimento das Telecomunicações (Funttel), implementadas em outubro de cada ano.

Desde 2013 que o CNPq vem reduzindo o total de bolsas distribuídas. Em 2013 houve um corte de 13 bolsas e neste ano de mais 9 bolsas (1 PIBIC e 8 PIBITI). Como forma de compensar a redução das quotas do CNPq o Conselho Universitário, a partir de proposta da Pró-reitoria de Pesquisa, aprovou em maio deste ano a criação do Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica (PIICT). O Programa prevê que para cada duas bolsas pagas pelo CNPq a UFSC deve entrar com pelo menos uma de contrapartida.

Em 2012 a UFSC pagava uma bolsa para cada 3,75 bolsas recebidas do CNPq. Dois anos depois a proporção caiu para 2,05. Se mantivermos a média de crescimento de 50 novas bolsas por ano, ao final de quatro anos, a contrapartida da UFSC aumentará para 340, reduzindo a proporção entre o número de bolsas do CNPq e as pagas pela instituição para 1,31. “A médio prazo, mantido o crescimento regular, a UFSC poderá estar no mesmo patamar de outras instituições como a UFRJ ou a UFRGS que têm uma contrapartida igual ou ainda maior que a do CNPq”, explica o Diretor do Departamento de Projetos, professor Elias Machado.

O Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica distribui atualmente 831 bolsas. Destas 744 (690 PIBIC e 54 PIBITI) são para os alunos de graduação e 87 para estudantes do ensino médio vinculados a escolas de Araranguá, Curitibanos, Florianópolis e Joinville. O PIICT é coordenado por um Comitê Institucional que conta com a participação de representantes de todas as unidades da UFSC e é anualmente avaliado por um Comitê de Externo, composto por pesquisadores do CNPq das diferentes áreas do conhecimento. Para mais informações consulte a página do PIICT em http://www.pibic.ufsc.br

  • 1960 - 2010 - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) | Central Telefônica - (48) 3721-9000
  • Última atualização do site foi em 21 de novembro 2014 - 8:36:33